Arquivo mensal: novembro 2015

Desconstruir a maternidade romântica é nosso papel

Padrão

116011_Papel-de-Parede-Mae-e-filha-116011_1280x1024

A forma como a sociedade coloca a maternidade romântica, tipo aquela idéia de que mães são seres perfeitos, sempre sorrindo, angelicais, santas que jamais erram, é uma das ferramentas de opressão para nos vender a vontade de ser mãe.

Já cansei de ouvir de amigas childfree convictas [que não querem ter filhos] que elas ainda tem um pedacinho lá dentro de vontadinha de ter filhos. Vontadinha essa, queridas, provocada pelo marketing que o sistema patriarcal faz em cima da maternidade.

Eles querem te seduzir sim. Sabe porque? Por que mãe é mulher que não age. Mãe fica quieta pois tem seu tempo reduzido. Mãe não incomoda. Mãe está, em muitos casos, fora do mercado de trabalho. Mãe tem pouco tempo: o tempo que tem é precioso e normalmente é usado para coisas urgentes. Ativismo fica por último. Uma mãe é uma mulher com muito menos tempo de incomodar e de reivindicar seus direitos na sociedade. 

Mas eu estou aqui para tentar mudar isso. Eu, mãe apaixonada louca pela cria, estou aqui para te dizer: essa romantização é uma mentira. Maternidade é uma responsabilidade pesada. Sim, é apaixonante, visceral e não posso mais ver a minha vida de outra maneira, porém vamos a verdade: tem que querer muito. Não compre a idéia poética de ser mãe.

Mãe não é exclusivamente amor, carinho e compaixão. Mãe é uma mulher que sofre, que chora, que reclama. Mãe se tranca no banheiro por minutos livre pela sua sanidade. Mãe é uma mulher que, como nunca antes, questiona o patriarcado e os malditos papéis de gêneros dentro da maternidade. Mãe fica com inveja do pai e da vida dele que segue tão igual a antes. Mãe sente vontade de ter nascido homem. Mãe se exclui socialmente. Mãe carrega nas costas dupla ou tripla jornada. Mãe abre mão da vida profissional porque não tem escolha. Ou em muitos casos aceita qualquer trabalho porque precisa. Mãe vai rodar na entrevista de emprego, adivinha porque? Por que é mãe. Mãe talvez seja uma mãe que não pôde ter acesso ao aborto e tenha sido obrigada a sê-lo. Mãe se arrepende. Sim, de ter se tornado mãe: pelo menos por um segundo, ela se arrependerá. Mãe se sente sozinha. Mãe vai querer que a licença maternidade acabe logo, e depois não vai querer que acabe nunca.Dói ficar em casa 100% do tempo com um bebê mas também dói sair de casa sem ele. Mãe é contradição. Mãe atura marido por medo de se separar. Por medo de ser mãe solteira. Mãe atura até violência doméstica por isso. Mãe tem dores. Físicas e psicológicas, muitas dores. Além das suas dores, mãe também sente as da cria (10x mais forte). Mãe é mulher sobrecarregada. É mulher há dias sem dormir. Cansada. É mulher sem o mínimo de vaidade pois já abriu mão do que não é urgente. Ou é mulher vaidosa que se sente feia por não ter tempo. Mãe se sente muito feia. Tem que se acostumar com o novo corpo. Mãe passa fome. Passa dias sem tomar banho. Mãe olha para o céu e agradece quando consegue fazer xixi. Mãe tem suas vontades e necessidades jogadas para o lado para atender a cria. “Ahhhh mas mãe que é mãe faz isso feliz”. Ela tem escolha? Mãe é insegura. Mãe é uma mulher que se tornou tão vulnerável quanto como se sua pele do peito fosse arrancada e o coração estivesse exposto ali assim tão fácil de ser machucado.

Mãe se culpa, se culpa, se culpa diariamente e se questionará como mãe para o resto da vida pois a sociedade não vai cansar de apontar o dedo e lembrá-la de como ela provavelmente está fazendo isso errado.

Mãe é uma mulher que sonhou com a maternidade romântica e sofreu muito para adaptar-se quando viu que a realidade é bem diferente. E que, por conta da poesia que todos pensam quando se fala em “ser mãe”, ela não se sente no direito de reclamar. Não sem se sentir envergonhada ou culpada. Porque MÃE É MÃE, dizem todos. Essa frase opressora que serve de justificativa para que aceitemos todo o peso da maternidade sem reclamar, quase como se fosse “agora aguenta”.

E é claro que eu escrevo esse texto com o coração e com culpa, pois afinal MÃE É MÃE, né? O que eu estava pensando? Ainda bem que, no sofrimento, na surra, nas situações difíceis nós também crescemos. Agradeço a maternidade por me mostrar o quão forte nós realmente somos. E você nos subestima patriarcado, quando acha que a falta de tempo que a maternidade acarreta vai nos calar. Estamos juntando nossas forças. Nos aguarde.


Fonte: http://veganaeasuamae.com/2015/11/22/desconstruir-a-maternidade-romantica-e-nosso-papel/

Anúncios

7 verdadeiros presentes de Natal que os pais podem dar a seus filhos

Padrão

A experiência de ter filhos talvez seja uma das mais ricas da humanidade. É através das crianças que perpetua-se o legado da humanidade tanto no sentido cultural como no que se refere a própria sobrevivência da espécie.

A sociedade consumista em que vivemos relaciona cada vez mais  o amor que os pais podem ter pelos seus filhos, aos bens materiais que eles proporcionam. Hoje as crianças tem interesse e seus “sonhos de consumo” estão muitas vezes relacionados a objetivos tecnológicos e que são REALMENTE caros.

Entretanto, a real felicidade de uma criança passa a anos luz dessas compras e, no final das contas, o que realmente importa para elas é ter a presença de quem elas amam: uma presença de qualidade.

Abaixo alguns exemplos de VERDADEIROS PRESENTES DE NATAL que os pais podem dar aos filhos:

1. Tempo.

Um estudo publicado em childwelfare.gov descobriu que “Desde o nascimento, as crianças que têm um pai envolvido com suas vidas, são mais propensas a ser emocionalmente seguras, ser confiantes para explorar os arredores, e, à medida que crescem, têm conexões sociais melhores com seus colegas. Essas crianças também são menos propensas a ter problemas em casa, na escola ou na vizinhança.” Ter os pais envolvido é um melhor indicador social de sucesso futuro do que ter dinheiro ou status social. Isso diz o suficiente.

2. Rotina.

Uma rotina estruturada, onde seja acompanhada uma seqüência organizada de atividades, em que se separa um tempo pré-determinado é de extrema importância na vida de uma criança, pois é
através dela que se cria vínculos afetivos, garante saúde e educa para a vida. Muitos relacionam rotina com mesmice, falta de opção e pasmaceira, mas no dia-a-dia com crianças, o papo é outro. É
necessária, concordam vários especialistas. “É importante para o desenvolvimento emocional da criança, ela se organiza internamente”, explica a psicóloga Maria Cristina Gomes. “Sem rotina, os
filhos podem se transformar numa grande encrenca”, diz o pediatra Glaucio de Abreu. “Ficam irritadiços, inconvenientes e chatos. Em geral, não dormem nem comem direito, o que pode levar a
problemas e saúde, como desnutrição e obesidade”. Mais tarde, segundo o médico, essa criança não produzirá bem na escola, ou será um jovem com excesso de atividades, mais exposto ao estresse,
porque não aprendeu a coordenar e administrar a vida, ou seja, toda criança adora manter uma rotina estruturada, pois representa segurança.

A rotina não deve ser vista como sendo rígida e estática. Ela deverá sim ter uma espinha dorsal, mas com mobilidade, quando necessário. (fonte)

3. Um animal de estimação

Animais de estimação podem ensinar responsabilidade e compaixão às crianças. Crianças que possuem animais são significativamente mais empáticas e pró-sociais.

Animais de estimação podem também proporcionar uma sensação de segurança e reduzir a ansiedade. Por estas razões, os animais são muitas vezes utilizados em terapias com crianças.

4. Um instrumento

Tocar um instrumento musical tem inúmeros benefícios para as crianças, que vão desde melhorar a memória e habilidades matemáticas até a criatividade, autoexpressão e alívio do estresse. Se o seu filho participar de uma banda ou orquestra isso pode melhorar suas habilidades sociais e ampliar seu grupo de amigos. Alguns músicos iniciantes até mesmo seguem carreiras musicais.

5. Memórias

Só tem memórias quem vive e compartilha momentos e, acredite em mim, essas memórias não estão relacionadas ao valor gasto na ocasião. Os momentos mais feliz lembrados por um adulto podem ser as lembranças da manhã em que o pai lhe servia o leite pela manhã, ou quando a mãe oferecia o colo após uma dificuldade.  Não se engane quanto a isso, examine suas próprias memórias e você saberá que, mesmo que um presente caro seja muito atraente, não é ele que fornecerá a verdadeira mensagem que você quer transmitir. Para uma criança, desde que esteja com os pais, dentro de 20 anos, estar em uma praça local, na casa dos avós ou em uma passeio de milhares de reais pela Disney não será tão diferente quanto pode parecer hoje.

6.Limites

Ah, como os pais sofrem para dar esse presente aos filhos (sofrem mais que os filhos). Lembrem-se que são os limites que ensinarão a seus filhos como viver, até que ponto ir para não colocar a vida em risco ou mesmo que, mesmo para o prazer, existe um ponto que deve ser respeitado antes que a pessoa se perca. Bons pais entendem que os limites serão os grandes alicerces que darão rumo na estruturação de uma personalidade saudável e em um adulto com capacidade de olhar a vida em perspectivas. Adultos maduros e que sabem ser mais tolerantes frente às adversidades da vida, certamente, aprenderam como lidar melhor com os limites.

7. Exemplos

Na função de pai ou de mãe, você sempre estará ensinando, embora não se dê conta. Ser honesto, paciente, tolerante, humilde, solidário, cuidadoso? Se você passar a sua vida olhando para além de seus próprios problemas, tenha certeza que seus filhos perceberão. Não tenha dúvidas, os filhos, na maioria das vezes, seguirão seu exemplo e esses exemplos serão o MAIOR e mais VALIOSO presente que qualquer pais ou mãe poderá dar para um filho.

E, é claro, se você puder gastar um pouco mais nesses contextos, é um mérito seu e isso dará mais conforto a todos. Só não inverta as prioridades!!!

Nota: ah, e nem preciso falar o motivo: Livros!

 

Fonte: blog Conti outra.comcriancas-natal-cantar