12 sinais de que você está criando seu filho para ser escravo…

Padrão

 Image

Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir nos motivos que levaram um novo shopping a ser erguido perto da sua casa? Ou mesmo já se questionou sobre a real razão para a pré-escola dizer que está preparando o seu filho para o mercado de trabalho?

Não é novidade para ninguém que a organização da sociedade possui o formato de uma pirâmide onde os que estão na base sustentam aqueles que estão no topo. Enquanto no topo existem poucos lugares, na base existem muitos para serem ocupados, sendo natural que quem esteja em cima queira manter aqueles que estão em baixo onde estão para não perderem suas posições no topo.

Não é uma questão de maldade, mas de pura física onde dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço, manifestando a lei da escassez que rege a vida da maioria das pessoas, seja aquelas que estão no topo ou na base.

Escravo é quem vai contra a sua própria natureza. (Tweet Isso)

Apesar de nascermos livres, durante a construção da nossa personalidade (da infância a fase adulta) vamos nos identificando progressivamente com essa lei e ficando cada vez mais “parados” conforme ela se torna a realidade do nosso modo de agir.

Não importa se nossa origem é uma família com muito ou pouco dinheiro. O que define se uma pessoa é escrava ou não é a maneira como ela lida com o mundo: se obedecendo a lei da escassez ou a lei da abundância.

Obedecendo a lei da escassez, nós temos medo e culpa. Medo do desconhecido (futuro, relações ou oportunidades) e culpa pelo passado (o que não foi feito, o que deu errado ou o que fizeram conosco). Agimos como vítimas e sempre estamos sofrendo por algo. Por isso precisamos atacar. Quem está em cima ataca quem está embaixo e quem está embaixo ataca quem está em cima.

Mas o que importa para o desenvolvimento pleno do ser humano e da humanidade não é que nossos filhos escalem a pirâmide social, se tornem pessoas ricas habitando o topo da pirâmide e mantenham as pessoas que estão embaixo afastadas das suas posições. O importante é que eles se libertem dessa pirâmide e das “regras naturais” contidas na sua estrutura.

Qual opção lhe parece a mais adequada?

A) Quero que meu filho seja pobre e triste. B) Quero que meu filho seja pobre e feliz. C) Quero que meu filho seja rico e triste. D) Quero que meu filho seja rico e feliz. E) Quero que meu filho seja livre e, portanto, sempre feliz.

Ser livre é agir de acordo com a sua natureza. (Tweet Isso)

Com quatro filhos, me ocupo bastante do pensamento sobre a criação, educação e escolarização das crianças, pois percebo vários problemas ocorridos nestes três aspectos ao longo da minha formação. Tive que trabalhar bastante para conseguir me libertar de algumas crenças, medos e valores que não desejo que o filho de ninguém possua e que me motivaram a vir aqui trazer à tona abaixo, alguns sinais de que nós podemos estar transformando nossos filhos em escravos ao invés de pessoas livres.

12 sinais de que você está criando seu filho para ser escravo

Você matriculou seu filho em uma escola que o prepara para o mercado de trabalho

Ou uma que vai do maternal ao vestibular. Não importa. Se o seu filho está matriculado em uma escola que o prepara para o mercado de trabalho, você está preparando o seu filho para o passado e não para o futuro, para o mundo que vai existir daqui a 20 anos quando ele sair da escola. Você está preparando seu filho para se encaixar no mundo e não para criar um mundo para ele.

“Só cria quem é livre.” (Tweet Isso)

Você leva seu filho no shopping para passear

Shopping não é para passear. Shopping é para comprar ou então se distrair para comprar ainda mais. O objetivo do shopping é vender mais e por isso é tão importante para seus proprietários agregar serviços como praças de alimentação e espaço para as crianças com brinquedos eletrônicos e pequenos parques dentro dos seus estabelecimentos. Quanto mais próximas dos shoppings as crianças estiverem, melhor retorno financeiro o shopping terá no longo prazo. O impacto deste mau hábito pode levar seu filho a sempre querer consumir para se manter feliz.

“Só uma pessoa livre decide os hábitos que tem.” (Tweet Isso)

Você permite que ele tenha mais coisas que o necessário

Presentes são as distrações do presente. Com milhares de roupas, tênis e brinquedos seu filho começa a perceber que fica feliz sempre que recebe alguma coisa nova e molda a sua cultura para isso. Desta forma, quando ele ficar triste novamente e não enxergar nada de novo à sua volta, acreditará que está com esse mau humor porque não tem nada novo para se distrair. Desde cedo eduque seu filho a compreender que ele não depende de coisas para ser mais feliz. No dia que seu filho fracassar e não tiver coisa alguma, se sentirá ainda mais infeliz por não tê-las e levará ainda mais tempo para retomar seu rumo.

“O verdadeiro poder está no coração de quem não precisa de coisas para ter poder.” (Tweet Isso)

Você acredita que ajuda seu filho quando executa tarefas simples pra ele

Dar comida na boca, amarrar o sapato, abotoar a camisa, dar banho, entre outras tarefas simples são coisas que os pais estão fazendo por mais tempo pelos seus filhos. Quando eles crescerem e estiverem adultos o mundo cobrará deles independência e disposição para realizar tarefas fora de suas zonas de conforto se eles quiserem se libertar. Tendo sido criado em uma redoma seu filho terá que lutar ainda mais para conquistar as coisas que deseja.

“Só um homem livre consegue moldar o mundo com suas próprias mãos.” (Tweet Isso)

Você ensina seu filho a valorizar as coisas pelas marcas que elas carregam

Não basta comprar um caderno, precisa ser um caderno de uma determinada marca ou com um determinado motivo daquele desenho animado ou daquele filme que ele tanto adora. Não seja tolo. Você está agindo justamente da forma que o dono da marca daquele filme quer que você aja. Que tal explicar para o seu filho que o caderno sem marca nenhuma tem a mesma utilidade que o caderno com marca e que ele pode ser até melhor em qualidade que o outro. Ensine-o a valorizar as coisas pelo real valor delas e não pela marca que a coisa carrega. O significado de sucesso não é medido pela capacidade de adquirir acessórios das marcas mais caras como se fossem badges da vida real.

“Só alguém livre consegue enxergar o seu próprio valor e o valor das coisas que o cercam.” (Tweet Isso)

Você não ensina seu filho a receber doações

Conheço pais que não admitem que seus filhos recebam uma peça de roupa ou um tênis de uma outra criança só porque aquilo que era recebido já tinha sido usado. Não existe coisa mais digna e natural do que aprender a receber. Isso, inclusive é até mais importante que aprender a dar porque para receber você precisa ser humilde e nobre. Ensine-o a receber doações e ele se tornará livre por acreditar que o mundo dá as coisas para ele ao invés de visualizar um mundo cheio de perigos e apuros onde todos só pensam em tirar-lhe as coisas.

Só alguém livre é capaz de receber com a mesma gratidão que doa. (Tweet Isso)

Você faz da alimentação por frutas e legumes algo pontual

O natural para o ser humano é comer frutas, legumes e verduras, enquanto refrigerantes, doces e outras guloseimas não é natural. Estes últimos “alimentos” é que devem ser apresentados ao seu filho como um evento pontual. Não há problema comer doces, biscoitos e bolos uma vez ou outra se o hábito da criança for comer coisas saudáveis, mas fazer da alimentação saudável algo esporádico é transformar o próprio filho em colecionador de problemas de saúde no futuro.

“Um homem livre consome apenas aquilo que for bastante e saudável.” (Tweet Isso)

Você o deixa ver televisão

Assista televisão com o seu filho durante uma hora e notará nas entrelinhas uma série de comerciais educando-o a permanecer escravo do sistema. Enquanto mulheres feministas brigam pelos seus direitos nas ruas, um comercial de um brinquedo infantil, treina meninas para o consumo vendendo uma caixa registradora que aceita cartão de crédito de brinquedo onde sua filha pode fazer compras à vontade na lojinha da amiga. Desligue a televisão e veja o seu filho libertar a imaginação com amigos imaginários, pistas de corrida feitas com caixas de papelão ou simplesmente cantando a esmo dentro de casa.

“Só alguém livre decide o que deseja experienciar.” (Tweet Isso)

Você não educa seu filho com uma medicina preventiva

Medicina preventiva é alimentação somada ao conhecimento do próprio corpo. Além de receberem alimentos ruins para o corpo, os pais não incentivam seus filhos a conhecerem suas dores e seus próprios males, curando toda e qualquer perturbação com algum medicamento invasivo que inibe o sintoma, mas não acaba com o problema. O autoconhecimento começa pelo conhecimento do nosso próprio corpo.

“Só é realmente livre quem se conhece profundamente.” (Tweet Isso)

Você incentiva que seu filho tenha ídolos

Ter ídolos nos escraviza tanto quanto ter algozes. Tendo ídolos, seu filho começa a competir com outras crianças para medir se aquilo que idolatra é melhor ou pior que aquilo que os outros idolatram, seja uma personalidade, um atleta, um time de futebol, um músico, etc. Ele coloca todas as suas expectativas naquela pessoa, saindo de si para querer se tornar o outro o que normalmente termina em uma grande frustração quando ele verifica que o outro possuía as mesmas idiossincrasias que ele.

Ser livre já é o bastante para si mesmo. (Tweet Isso)

Você ensina as suas crenças para ele

Religião, trabalho, riqueza, modo de vida, enfim, você deposita no seu filho toda a sorte de crenças e medos cultivadas em você tirando a capacidade dele mesmo refletir sobre o que serve e o que não serve para ele. Você não ensina filosofia para ele e não o faz questionar e observar que talvez você e ele estejam errados a respeito das suas certezas. Que existem outras religiões diferentes da sua no mundo, assim como outros tipos de trabalho, outras formas de gerar riqueza e também outras maneiras de viver. Esclareça para o seu filho que a forma como você vive e a maneira como você pensa é a sua maneira, mas não a mais correta. Não ate-o a amarras que o deixem presos em qualquer área da vida. Leve-o a sua religião, ensine-o sobre ela, mostre a forma como você trabalha e a sua maneira de gerar riqueza. Traduza tudo isso e o seu modo de vida como apenas mais um modo de se viver, mas fortaleça-o para que ele faça a sua própria busca, deixando claro que irá lhe abraçar no caminho de volta pra casa.

“Livre é quem se liberta das suas próprias crenças.” (Tweet Isso)

Você não coloca em prática o que ensina para ele

E o principal e mais violento sinal de que você está criando o seu filho para seu escravo acontece quando você demonstra para ele que não se esforça para se libertar colocando em prática aquilo que ensina para ele.

  • Você continua indo ao shopping para passear.
  • Você continua vendo televisão.
  • Você continua torcendo para o seu time do coração com fanatismo.
  • Você cultua marcas, nomes e famosos.
  • Você se coloca como vítima da vida.

Você pode ter errado em tudo, mas não pode se dar o direito de errar em não assumir os próprios erros para acertar. Temos que ensinar esta nobreza para os nossos filhos se quisermos que eles se libertem desta pirâmide social na qual a maior parte da sociedade está inserida para viver a sua própria vida da maneira que ele acredita ser a ideal.

Entendo que alguns sinais colocados aqui afetam estruturalmente as suas crenças, mas te convido a fazer um exame em cada uma delas para verificar porque elas realmente existem em você e como elas podem estar moldando a vida que você tem hoje. Se você está preso, liberte-se e leve seus filhos juntos, pois se todos os pais fizerem isso, libertaremos o mundo.

UM VÍDEO SOBRE PSICOLOGIA DE CONSUMO: http://aclassealta.com/psicologia-do-consumo/?ref=D68366M

Autor da matéria: Marcos Rezende

Sobre danipeternel

A mãe mais felizzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz :) "Três coisas agradeço a Deus todos os dias de minha vida:o ter-me permitido o conhecimento de sua obra,o haver acendido a lâmpada da fé na minha treva material e o ter-me dado outra vida a esperar depois desta". (Frei Anselmo)

»

    • Dani, parabéns! Tenho um filho de 6 anos e me deparo o tempo todo com reflexões de todo o tipo, sobre os valores que devemos passar e principalmente o cuidado que temos que tomar para não repetir padrões ultrapassados!… acertar a mão é muito difícil, para mim, educar é a tarefa mais árdua e desafiadora da minha vida!…principalmente porque existe um amor imensurável!

      • desculpe, mas o que se aplica a um se aplica a dois ou três. Você mostra como tirar regras mas impõe outras!!!! Liberdade exige conhecimento de uma única coisa: Meio termo. Nem tanto ao céu nem tanto à terra. Talvez uma bolha de vidro seja uma boa solução para criar filhos assim.

      • Desculpe, mas essa sua resposta põe areia em cima de tudo o que escreveu. Linda teoria, mas a geração hoje é outra. Ensinar valores não significa privar seus filhos do mundo que o cerca. Eles precisam saber de tudo o que existe, e fazer suas próprias escolhas. Isso é liberdade.

  1. a instigação do consumo é um tema árduo na educação dos filhos, muitos pais ainda não se deram conta desta realidade, e quanto aos jogos eletrônicos, recentemente fiquei estarrecida ao ver uma fase do jogo em que após o personagem comer muitas guloseimas para voltar ao peso normal ele toma uma fórmula e num passe de mágica o personagem está magro novamente… garanto que muitos pais nunca jogaram com os filhos e não atentam para estas armadilhas, achei cruel imputar na cabeça da criança esta “fórmula mágica”…

  2. Realmente a própria matéria é um exemplo de passos de escravidão, siga estes passos e tudo dará certo… Para criar filhos não há passos que sejam certos para todas as crianças ! E as vezes em uma mesma família devemos seguir passos diferentes para cada criança ! Por que devemos receber doações qdo n precisamos ? Quando o correto é doar o q vc tem de melhor , q pode ser uma conversa, amor, carinho e por fim roupas , dinheiro …,Qual o problema de ensinar que Jesus pode ser um ídolo ?! Pq n posso dizer q eu acredito em algo e q aquilo me fortalece , mas q tudo bem se o q fortalece ele será outra crença desde q pregue o bem ? Sim Pq eu devo influencia-lo sim pra q ele pratique bem sobre todas as coisas ! Enfim, se eu estiver criando meus quatro filhos e de tudo q eu ensinei eles apenas forem “escravos do bem ” estou muuuito satisfeita! Mas provavelmente n terei essa sorte, pois n existem seres humanos perfeitos ! N há formulas magicas para criar filhos , pode sim ter um roteiro do q vc acha vai dar certo, mas q é mudado diariamente de acordo c o momento de cada criança com suas famílias.

      • Acho que vocês precisam ler a matéria com um olhar mais flexível. Você pode ir ao shopping, só não incentive seu filho a PRECISAR de nada. Pode torcer pro time, mas não precisa fazer disso uma doença – perdeu? ok, próximo! Quando você quiser falar da sua religião, deixe sempre claro que isso é uma coisa que faz sentido pra VOCÊ e existem outras que fazem sentido pra outra pessoa, e quando for a hora, ele pode fazer a escolha dele. Você pode influenciar com pensamentos e ações positivas, mas sempre deixando o livre arbítrio em primeiro lugar.

    • Concordo com você Viviane, essa matéria se seguida a risca só vai fazer meu filho se comportar como um pseudo intelectual que acha que não assistindo televisão estará livre de todo o mal, amém. Não existem formulas, criar um filho para ser escravo de algo é fazer justamente o que você sugere. Crianças tem personalidades e anseios que precisam ser trabalhados caso a caso, pontuando o processo evolutivo com a aprendizagem de forma o mais natural possível. Você não está adestrando um cão…é seu filho.

    • Concordo plenamente com você, educar e preparar o seu filho para a vida não tem manual, apenas devemos educar para sejam felizes e que tenham a possibilidade de fazer suas próprias escolhas!

  3. Nossa, achei essa matéria uma escravidão! Não posso torcer pro meu time, não posso assitir televisão, não posso ensinar as minhas crenças pra ele (mas peraí, as crenças dos outros pode? que tal ensinar as minhas SIM e as dos outros também?), meu filho não pode ter o homem aranha como ídolo, não pode ter mais coisas que o necessário? mas peraí… se fossemos falar de necessário, nós mulheres só teríamos 3 sapatos em casa e olhe lá (um chinelo, um sapato e um tênis, afinal, isso é o necessário né? tem gente que nem sapato tem) no entanto nunca conheci uma mulher com apenas 3 pares de sapato. Amiga, isso dá uma boa discussão, mas quer saber? São tantas regras essas que você postou que só de ler já me sinto uma escrava. Liberte-se, nem tudo é pra ser 8 ou 80, acredite no equilíbrio. Você não está totalmente certa, nem totalmente errada. Basta saber equilibrar! Acredito que esse seja o segredo da vida: o equilíbrio! Beijinho!

  4. Tentando vender uma nova(?) ideia de liberdade está imponde regras demais. Não o que tu tira da vida do teu filho (ou da tua) que define a tua liberdade, mas como tu administra todas as possibilidades. Tu citas muitas normas para quem busca liberdade. Talvez estejas criando um novo tipo de escravo.

    • O escravo alheio ao mundo externo… seria o ignorante – que não vê nada, não lê nada, não consome nada, logo não vai poder ter opinião de nada, afinal não convive para ter exemplos, e assim não consegue definir o certo do errado segundo suas próprias crenças. Educar o filho para ser livre e feliz é permitir – lhe experimentar conduzindo – o e dando o exemplo. E não se ofender diante de questionamentos que eles sintam necessidade de fazer. País nem sempre estão certos, é verdade. Mas educando a gente tb aprende a todo instante, principalmente preocupado com um mundo melhor.

  5. Gostei muito do seu texto e posso dizer que mesmo sendo mãe de três çriancas pequenas é sim muito simples colocar muita coisa em prática!!! Comer alimentos saudáveis, passear em lugares que os permitam descobrir e imaginar, limitar a televisão, jogos, etc… Eu entendo que não exista nenhuma fórmula mágica pra criar filhos, mas acho que a maioria das ideias são boas… E ninguém disse que não se pode ensinar pras crianças as nossas crenças ou religiões, o texto menciona que não devemos ensinar com fanatismo, ou como se o que a gente crê seja “o correto” … Devemos sim ensinar, mas não limitar… Deixar que as crianças sejam abertas a novas descobertas, e acima de tudo que não olhem com preconceito tudo que é diferente do que ela aprendeu em casa!!! Agora se vc é fanático por religião, e acha que Jesus é o único caminho, ou por futebol, ou acha normal “passear no shopping”, realmente vc tb é um “escravo do sistema” e por consequência alguém que não esta aberto a novas descobertas ou que respeita a opinião do outros, enfim, alguém que tb é preconceituoso porque acha que sua postura é correta e a dos outros não!!! Enfim, vc vai criar seu filho e inseri-lo dentro do seu mundo e do seu sistema!!! Acho que filosofia é muito importante, e ultimamente aprendi que não existe garantia de vida após a morte, portanto, tente aproveitar bem o momento atual….

  6. Não gosto de radicalismos, acredito que o radical fica com sua mente fanática fechada a qualquer nova ideia, por melhor que ela seja. Tenho 3 filhas (4,7 e 11 anos), não vamos ao shopping a não ser que seja para comprar alguma coisa específica ou ir ao cinema (infelizmente aqui só há cinemas em shoppings) e é pontual: entra faz o que tem que ser feito e vai embora; a tv a cabo foi desligada, agora quando querem assistem um filme ou desenho na internet e já me falaram que está bom assim; porcarias existem mas estão restritas as festas, aqui em casa não tem refrigerante, bala, biscoito recheado e afins; a escola foi escolhida por ser acolhedora e não tratar minhas filhas como um número; não tenho empregada e cada uma é responsável por suas coisas (claro que tenho que ficar atrás mandando catar e arrumar suas coisas, mas já é um começo); banho, dente, cabelo, cada um cuida do seu, só supervisiono;sou atéia mas falo sobre fé e crenças,todas elas.
    Enfim, as vezes sinto culpa quando vejo os amiguinhos afogados em brinquedos e me pergunto se eu não seria um monstro, se minhas filhas estarão preparadas sem a quantidade de informações que parece que todo mundo tem que ter hoje em dia, mas elas estão felizes, têm vários amigos que adoram vir aqui em casa e brincar no quintal. E sinto que por mais difícil que pareça eu estou sim criando crianças que são livres, no mínimo dessas cobranças loucas de ter, ter e ter mais um pouco.

  7. Leitura crítica é sempre bom, mas vejo muitas críticas neste post levando o texto ao pé da letra… Não significa que a criança NÃO POSSA ver televisão, galera, o que o texto critica é que tem muita gente que CONDICIONA os filhos a ver tv, como forma de mantê-los quietos, comportados (quando, na verdade, estão sendo hipnotizados)… Não tem problema ir ao shopping comprar o que precisa, o problema é levar os filhos para passear no shopping, como se o centro do consumismo fosse um programa adequado para estimular as crianças… As crianças precisam de outros estímulos para crescerem livres – leia-se: em sintonia consigo mesmas.
    Achei o texto excelente, crítico e perturbador, até. Porque devemos nos questionar sempre, em vez de seguir regras pré-estabelecidas simplesmente porque são o padrão. Já tinha lido o texto antes, no site do cara. Aliás, senti falta de vc colocar o link para o artigo original, Dani.
    Um abraço!

    • Exatamente!! Acho que o pessoal levou muito ao pé da letra. Na verdade ele sugere que você deixe seu filho mais livre pra ver, ouvir, comer e acreditar no que pensa. Não existe modelo certo, só precisamos nos livrar dessa ditadura do socialmente aceito. Estamos sim criando escravos do sistema! Também achei o texto excelente e perturbador.

  8. Faltou interpretação de texto para muitos pais que comentaram sobre o texto. O texto não impõe nada, apenas sugere. Gostei do texto e acho válido qualquer tipo de ajuda para que os filhos não sejam dependentes, escravos e pessoas fúteis.

  9. Gostei do texto e vou replicá- lo. Apenas tenho algumas ponderações. Cultura de escassez e de abundância dependem muito do ambiente social. Das guerras sofridas, dos períodos de fome e seca. No Brasil, com exceção do sul e algumas áreas do nordeste temos uma cultura de abundância, o povo é hospitaleiro, mão aberta, até um pouco ingênuo. Por isso o melhor é contrapor uma cultura de escassez, ensinando a poupar para comprar à vista, com desconto e sem ficar devendo juros (por exemplo). Nas grandes metrópoles, onde as pessoas correm incessantemente atrás do dinheiro, aí vale mais o que postou que é ensinar as pessoas a desacelerarem e respirarem melhor o presente de vida que é o ato presente.
    Abraços.

  10. Ola vi o blog por acaso e adorei a materia, e nao, nao é uma serie de regras, é claro e simples para cuidar das crianças de uma forma lógica onde a liberdade de expressao é o que prevalece, estamos habituados a se ligar em coisas do tipo, comer só aquilo, passear só naquele lugar, ver televisao todos os dias e achar os horarios de desenhos que atraem nossos filho ou melhor “dão sossego aos pais” esse texto mostra que não temos tempo pro nossos filhos fazemos o que nos fazem bem e o que achamos que é bom pra eles, mas ao menos perguntamos se ele realmente gosta, e ele nunca vai responder nao, porque foi habituado a fazer aquilo mecanicamente por que eu e o pai dele gosta, enfim, adorei o texto e achei alguns comentarios muito maldosos e centrados demais, tipo, mae que diz eu faço isso e isso por que tenho quatro filhos, tenta levar eles ao parque ao inves de um shopping, talvez o verde e passaros dao uma certa liberdade a mais no qual o texto quer dizer, enfim cada um pensa, come e apodrece da forma que quer! rs

  11. Sensacional!!Também tenho filhos, 4 adolescentes e lutei para que fosse pessoas mais livres.Não é fácil, é como andar na contramão do mundo pois os amigos, parentes e até professores reforçam diariamente tudo que é ensinado, no entanto percebo que tenho me saído bem cada vez que alguém se refere a eles como “crianças diferentes” pelos hábitos e pelo pensamento que expressam. ADOREI o texto!!Parabéns!

  12. O que podemos perceber entre todas as críticas ao artigo é que o maior problema pelo qual passam os pais “modernos” é o da falta de interpretação de texto! Qual a dificuldade para perceber que isso não são regras impostas a ninguém? São apenas conselhos sobre o que possível fazer para que seu filho não se torne alguém sem emoções, sem pensamento próprio, simplesmente à espera de que tudo aconteça e apareça ao seu redor como mágica. Tenho uma filha e não a privo de assistir desenhos, de comer guloseimas, nem de receber presentes, mas eu a educo. Educação não é tarefa exclusiva da escola, ela surge dentro de casa. Minha filha tem tudo o que precisa, mas mesmo com apenas 2 anos de idade eu já faço o possível pra mostrar a ela que nada daquilo é essencial em sua vida. São coisas necessárias, mas sem elas continuaremos a viver. Minha filha pede licença, por favor e agradece, coisas que muita criança com o dobro da idade dela não vê a menor razão de fazer. E por que será? Porque a criança nasceu naturalmente mal educada? Penso que o porquê está nos pais que não tem a menor responsabilidade de ensinar isso a seus filhos, de interagir com eles, de ouvi-los, de ter paciência, enfim, de sensibilizar-se com o outro. Gostei do texto, acho que é uma boa reflexão para pensarmos em um mundo mais sustentável e sem tantas amarras ao mercado de trabalho que se torna cada vez mais competitivo, invasivo e escravizador. Não nos ensina que juntos conquistamos mais, mas que sozinhos conseguiremos passar por cima de qualquer concorrente.

    “Vocês podem me acorrentar, torturar e até destruir meu corpo, mas nunca aprisionarão minha mente” – Mahatma Gandhi

  13. Sou homem e estou por aqui!, em 26 anos de vida não conheci 1 pessoa que não é escrava do sistema, até mesmo um empresário ou um artista só sobrevive com milhares de escravos ao seu redor. então nosso objetivo seria criar nossos filhos para ter escravos e não para serem escravos, e isto eu também acho errado. Eu acho que a liberdade e a felicidade só será alcançada no dia que nenhum ser humano tiver mais poder que outro a não ser a força física, no dia que as casas serão feitas no meio das florestas, que viveremos no meio dos animais e poderemos até mesmo morrer para animais selvagens, mas seremos caçadores e voltaremos a nos tornar parte da natureza. No dia em que a medicina não puder mais salvar pessoas, No dia em que a tecnologia sair de nossas vidas para sempre. No dia em que esquecermos o que é energia elétrica, No dia em que as empresas forem substituídas por arvores. No dia em que ler livros ou estudar não terá importância alguma, No dia que respeitarmos novamente os animais, lutarmos contra eles no máximo com arcos e flechas. No dia em que apenas 5% da população mundial estará viva. No dia em que os intelectuais morrerem, e só restarem as pessoas que agem com o coração e só querem ter sua vida com sua família em paz. No dia que a cultivação de qualquer tipo de coisa não será mais necessária e tudo estará na natureza novamente. no dia que voltarmos a dar valor nas coisas simples da vida e não em celulares de ultima geração.

    Todo nosso sistema foi moldado para gerar recursos para uma população tão grande que nem mesmo a natureza consegue sustentar. se precisamos plantar para sobreviver, então tem muitas bocas para poucos frutos. e é exatamente ai que a doença começa, pois é necessária a gestão de uma fazenda, é preciso ter funcionários, é preciso ter trocas, é preciso comprar e vender, é preciso fazer algo que não nos faz feliz, então não estando felizes buscamos formas de compensar a tristeza, e ai que uma televisão não faz mal a ninguém.

    Seguindo esse raciocínio, todo o sistema volta a ser a merda que é hoje.

    Nossa cultura é tão poluída, que nem mesmo eu poderia sobreviver, o que talvez resolvesse o problema, seria sairmos do planeta por 300 anos, tempo suficiente pra ele se restabelecer e se tornar uma floresta novamente.em seguida separar crianças de no maximo 3 anos em grupos de um numero N e devolve-las a terra em todos os continentes e países, que numero seria esse? 5% da população mundial atual, o que aconteceria ? os mais fortes sobreviveriam, nós já nascemos sabendo o temos que fazer. os adultos jamais poderiam interferir novamente e acabariam morrendo no espaço.

    As formigas compõem a maior população na terra, como eu as vejo? escravas!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s