Arquivo mensal: novembro 2012

Ensinando às crianças o verdadeiro sentido do natal :)

Padrão

Image

Presentes, presentes, presentes… e o Pai Natal, claro! Para as crianças, a quadra natalícia resume-se, praticamente, a estas duas coisas. Coisas importantes, sem dúvida, mas limitativas. Afinal, o Natal é muito mais do que isso e é fundamental que as crianças o percebam – só assim podem viver e recordar, ano após ano, o verdadeiro espírito da quadra.

Pequenos ajudantes. Existem inúmeras actividades natalícias a decorrer nesta época dentro das nossas casas: desde as decorações festivas, à elaboração dos postais e telefonemas a familiares, passando pela confecção dos tradicionais doces, sem esquecer outros rituais que possam fazer parte das suas festas. Por isso mesmo, é essencialenvolver as crianças em todos os preparativos para o Natal. Só assim perceberão que a quadra é, de facto, mais do que a noite de Consoada passada ansiosamente a olhar para o relógio, à espera que dê as 12 badaladas para que se possam abrir finalmente as prendas.

Aniversário de Jesus. O Natal existe porque Jesus Cristo nasceu e, sendo este o seu aniversário, nada mais apropriado do que o recordar. Independentemente das tradições religiosos serem ou não praticadas no seio da vossa família, nada impede que não possam ler juntos a história do nascimento de Jesus, seja através da Bíblia, seja através de livros apropriados para crianças. Ensine à pequenada qual a origem do Natal, ou seja, o motivo de tanta festa.

Conhecer o presépio. Em seguimento da história de nascimento de Jesus, faça questão de integrar um presépio na sua decoração natalícia. Se o seu cenário de natividade for muito antigo ou demasiado frágil para mãos pequeninas, adquira um presépio mais barato com o qual os miúdos possam “brincar”. Aproveite e leia a história de Jesus junto do presépio, ficando a cargo das crianças colocar as figuras nas suas respectivas posições à medida que a história se vai desenrolando.

Histórias de Natal. A par com histórias sobre o nascimento de Jesus e do presépio, procurem ler, em conjunto, outros contos de Natal, dando ênfase àqueles livros e aventuras que, fugindo das prendas, do pai Natal, das renas e do pinheiro, terminam com pequenas lições de vida que todos nós adoramos aprender ou recordar.

Prendas do coração. Limita o número de prendas que oferece à pequenada, não excedendo três embrulhos por criança – afinal, foi quantas o Menino Jesus recebeu dos três reis magos. Por outro lado, incentive e ajude as suas crianças a confeccionarem os presentes de Natal que gostariam de oferecer, em vez de os comprar. É uma excelente maneira de lhes mostrar que não é o valor monetário que mais interessa, mas sim a intenção. Poupa-se nos presentes e ganha-se em dedicação e carinho.

Recuperar o calendário de Advento. A expectativa e a ansiedade que antecedem o Natal podem ser incorporadas num calendário de Advento que faz a contagem decrescente a partir de 1 de Dezembro e até ao dia 24. Podem optar pelos calendários pré-comprados que escondem um chocolate por de trás de cada porta e atribuir um a cada criança ou então confeccionarem o vosso próprio calendário familiar em que, por exemplo, todos os dias é aberto um embrulho que contém uma mensagem ou uma pequena lembrança para um elemento diferente da família.

Música maestro. Incorpore a música de Natal nas tradições da época, principalmente nas semanas e dias que antecedem os dias 24 e 25 de Dezembro. Apesar de clássicos como A Rena Rodolfo ou A Todos um Bom Natal serem sempre um enorme sucesso junto da pequenada, procure ensinar-lhes outros temas como O Menino está Dormindo ou Canção de Natal que vão de encontro ao verdadeiro significado deste que é um dos mais importantes feriados do ano.

Tempo de Natal, tempo de família. Saiam de casa em família e desfrutem do melhor que a época tem para oferecer… e não estamos a falar de centros comerciais cheios de pais natais e cinema natalício (embora ambas sejam opções igualmente válidas). Porque não experimentarem outro tipo de actividades: visitar uma exposição natalícia num museu, assistir a uma peça de teatro relativa à quadra, um concerto de Natal com coro de Igreja ou ir à Missa do Galo na noite de Consoada? Ao vivo e a cores o verdadeiro espírito natalício terá, certamente, outro impacto nas crianças e na forma como vão viver a quadra a partir de então.

O valor do voluntariado. Embora esta seja uma quadra festiva, é também nesta altura que somos alertados para aquelas pessoas que pouco ou nada terão na mesa de Natal. Ajudar quem mais precisa é um dos gestos mais nobres da época natalícia e uma excelente oportunidade para mostrar à pequenada que mais importante do que receber, é dar. Envolva-os na escolha de roupa usada para doar, na compra de um brinquedo para crianças desfavorecidas ou na aquisição de um cabaz de bens alimentares para entregar nos peditórios que, por esta altura, se encontram nos hipermercados.

Dê o exemplo. Se deixar o stress e o consumismo natalício dominar os dias desta quadra, o mais certo é as crianças interiorizarem esses mesmos valores. Se, por outro lado, viver esta época em família, recordando velhas tradições ou incutindo novas, vai ensinar-lhes que o espírito de Natal está assente no amor e na entrega ao próximo, não na quantidade de prendas que têm debaixo do pinheiro.

Como eu posso ajudar meus filhos a serem sábios?

Padrão

Os pais precisam aprender a dizer “Sim”.

Image

O trabalho dos pais é muito delicado, e é precioso, porque a vida inteira da criança depende disso. Não lhe dê nenhum programa positivo – ajude-a de toda maneira possível no que ela quiser.

Por exemplo, eu costumava subir em árvores. Agora, são poucas as árvores que são seguras para se subir: seus galhos são fortes, seus troncos são fortes. Você pode até subir ao topo mais alto, e mesmo assim não precisará sentir medo que um galho irá quebrar. Mas há algumas árvores que são bem delicadas.

Porque eu costumava subir em árvores para pegar mangas, jambos – outra fruta bonita – a minha família era muito preocupada e sempre mandava alguém me impedir.

Eu disse ao meu pai, “Ao invés de me impedir, por favor me explique quais árvores são perigosas – para que eu possa evitá-las – e quais árvores não são perigosas, que então poderei subir nelas. Mas se você tentar me impedir de subir, haverá um perigo: eu posso subir na árvore errada, e a responsabilidade será sua. Eu não vou parar de subir, eu adoro fazer isso”.

É uma das mais belas experiências estar no topo de uma árvore sob o sol com o vento forte e toda a árvore dançando – uma experiência muito nutritiva.

Eu disse, “Eu não vou parar de fazer isso. O seu trabalho é me dizer exatamente em que árvores eu não devo subir – porque eu posso cair delas, posso ter fraturas, posso danificar o meu corpo. Mas não me dê uma ordem vazia: ‘Pare de subir’. Isso eu não vou fazer”.

E ele teve que ir comigo pela cidade e me mostrar quais árvores são perigosas. Então eu lhe fiz a segunda pergunta: “Você conhece algum bom escalador na cidade que pode me ensinar até mesmo a subir nas árvores perigosas?”

Ele disse, “Você é demais! Agora isto está indo muito longe. Você me disse, eu o entendi…”

Eu disse, “Eu vou obedecer, porque me propus a isso. Mas as árvores que você está falando que são perigosas são irresistíveis, porque jambos – uma fruta indiana – crescem nelas. Elas são realmente deliciosas, e quando estão maduras eu posso não conseguir resistir à tentação. Você é meu pai, é o seu dever… você deve conhecer alguém que pode me ajudar.”

Ele disse, “Se eu soubesse que ser pai fosse ser tão difícil, eu nunca teria sido pai – pelo menos não de você! Sim, eu conheço um homem” – e ele me apresentou a um velho homem que era um escalador raro, o melhor. Ele era um lenhador, e ele era tão velho que você não acreditaria que ele poderia cortar madeira.

Ele somente fazia trabalhos raros, que ninguém mais estava preparado para fazer… grandes árvores que estavam se expandido sobre as casas – ele iria cortar os galhos. Ele era um expert, e ele fazia sem danificar suas raízes ou as casas.

Primeiro ele amarraria os galhos a outros galhos com cordas. Então ele cortaria esses galhos e então com as cordas puxaria os outros galhos para longe da casa e deixaria que caíssem no chão. E ele era tão velho!

Mas sempre que havia uma situação como essa, quando nenhum outro lenhador estava preparado, ele estava preparado. Então meu pai disse para ele, “Ensine-o alguma coisa, especialmente sobre árvores que são perigosas, que podem quebrar. Galhos podem quebrar…” e eu já havia caído duas, três vezes – eu ainda tenho as marcas nas minhas pernas.

Aquele velho homem olhou para mim e disse, “Ninguém nunca veio até mim, especialmente um pai trazendo um menino…! É uma coisa perigosa, mas se ele ama fazer isso, eu adoraria ensiná-lo.” E ele estava me ensinando como lidar com a subida em árvores que eram perigosas.

Ele me mostrou todos os tipos de estratégias de como se proteger: Se você quer ir bem alto na árvore e não quer cair no chão, então primeiro amarre-se com uma corda em um ponto que você sente que a árvore é forte o suficiente e então suba. Se você cair, você ficará pendurado pela corda, mas você não cairá no chão. E isso realmente me ajudou; desde então eu nunca mais caí!

A função de um pai ou uma mãe é ótima, porque eles estão trazendo um novo hóspede para o mundo – que não sabe nada, mas que traz consigo algum potencial. E a menos que esse potencial cresça, ele permanecerá infeliz.

Nenhum pai ou mãe gosta de pensar que seus filhos permanecem infelizes; eles querem que sejam felizes. A questão é que o pensamento deles está errado. Eles pensam que se tornarem-se doutores, se tornarem professores, engenheiros, cientistas, então eles serão felizes. Eles não sabem! Eles somente serão felizes se tornarem-se o que eles vieram para ser. Ele somente podem se tornar a semente que estão carregando dentro de si mesmos.

Portanto, ajude de toda maneira possível para proporcionar liberdade, para dar oportunidades. Geralmente, se uma criança pergunta qualquer coisa à mãe, sem nem mesmo escutar a criança, ao que ela está dizendo, a mãe simplesmente diz não.

“Não” é uma palavra autoritária; “sim” não é. Desse modo nem pai nem mãe ou qualquer outra pessoa que está em autoridade que dizer sim – para qualquer coisa comum. A criança quer brincar fora da casa: “Não!” A criança que sair enquanto está chovendo lá fora e quer dançar na chuva: “Não! Você vai pegar um resfriado.”

Um resfriado não é um câncer, mas a criança que foi impedida de dançar na chuva, e que nunca mais pôde dançar novamente, perdeu algo formidável, algo realmente bonito. O resfriado poderia ter valido a pena – e não é como se necessariamente ela fosse pegar um resfriado.

Na verdade, quanto mais você protegê-la, mais ela se tornará vulnerável. Quanto mais você a permitir, mais ela se tornará imune. Os pais precisam aprender a dizer sim. Em noventa e nove por cento das vezes que eles geralmente dizem não, não é senão somente para mostrar autoridade.

Todo mundo não pode se tornar o presidente de um país, não pode ter autoridade sobre milhões de pessoas. Mas todo mundo pode se tornar um marido, pode ter autoridade sobre sua esposa; toda esposa pode se tornar uma mãe, pode ter autoridade sobre o filho; todo filho pode ter um ursinho, e ter autoridade sobre o ursinho…chutá-lo de um canto a outro, dar uns bons tapas, tapas que ele realmente queria estar dando na mãe ou no pai. E o pobre ursinho não tem ninguém abaixo dele.

Isto é uma sociedade autoritária. O que eu estou dizendo é que criando crianças que tenham liberdade, que tenham ouvido “sim” e que raramente tenham ouvido “não”, a sociedade autoritária desaparecerá. Nós teremos uma sociedade mais humanitária.

OSHO

Tudo que você queria saber (ou não) sobre os Petit suisse.

Padrão

Quem não se lembra do comercial do famoso Danoninho vale por um bifinho?
(Por favor, todas lembram né? senão vou me sentir muito velha…rsrrs)

Para quem não se lembra ou que nunca viu, o vídeo tá ai…

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=8aQtO58JP_M

Ao contrário do que anunciava a propaganda ele não vale por um bifinho nem por 1 iogurtinho, porque na verdade ele não pode ser considerado iogurte, o Danoninho é um petit suisse, que seria um queijo “fresco” acrescido de um monte de porcarias.

Qual a diferença de iogurte e petit suisse?
O processo de produção: que consiste na pasteurização, na fermentação e na concentração do leite de vaca, até que se torne um queijo fresco, não maturado.  Diferentemente do iogurte, na fabricação do petit suisse inclui-se a etapa de concentração da massa, com a retirada do soro do leite, o que resulta em uma consistência mais densa e um teor maior de proteína e cálcio. (só que não rsrs)

Dá uma olhadinha nos ingredientes que vêm no rótulo:

LEITE DESNATADO, XAROPE DE AÇÚCAR, PREPARADO DE MORANGO (ÁGUA, FRUTOSE, POLPA DE MORANGO, CÁLCIO, FÓSFORO, AÇÚCAR, AMIDO MODIFICADO, ZINCO, FERRO, VITAMINAS D E E, ESTABILIZANTES GOMA XANTANA, GOMA CARRAGENA E CARBOXIMETILCELULOSE, ACIDULANTES ÁCIDO TARTÁRICO E ÁCIDO CÍTRICO, AROMATIZANTE, CONSERVADOR SORBATO DE POTÁSSIO E CORANTE NATURAL CARMIM), CREME DE LEITE, CÁLCIO, CLORETO DE CÁLCIO, FERMENTO LÁCTEO, QUIMOSINA E ESTABILIZANTES GOMA GUAR, CARBOXIMETILCELULOSE, GOMA CARRAGENA E GOMA XANTANA. CONTÉM GLÚTEN. PODE CONTER TRAÇOS DE CASTANHA DE CAJU.

 E mais, em uma pesquisa realizada pela associação brasileira dos direitos do consumidor, revelou que ele tem muito mais corantes e muito mais açúcar do que se imagina, e ao contrário do que anunciam não tem a quantidade de vitaminas e ferro falada. (segue abaixo a pesquisa)
 Pesquisa Proteste sobre Petit suisse: Açúcar demais, proteína de menos…
 
Conforme apuramos em nosso teste, os petit suisse apresentam açúcar em excesso, o que é prejudicial à saúde das crianças, que acabam se acostumando ao paladar doce desde cedo. Se uma criança de 7 a 10 anos consumir um potinho, estará ingerindo 27% do limite diário máximo de açúcar de absorção rápida. Se tiver de 4 a 6 anos, 32%. Valor muito acima do ideal recomendado – no máximo, 10%.
Fonte de cálcio e outros minerais
 
Embora sejam fontes comprovadas de minerais e proteínas, os testes provaram que os petit suisse não contêm a quantidade de minerais declarada no rótulo. Os maiores problemas foram detectados nos teores de ferro e cálcio: as quantidades informadas no rótulo eram inferiores às realmente existentes no produto.
Uma delícia né? Porém comam com moderação,a máxima possível,pois não é nutritivo e sim um delicioso e atrativo potinho cheio de química 😦
Image